Arujá e Ferraz de Vasconcelos manifestam interesse em aderir a consórcio para compra de vacinas contra a Covid-19

De acordo com a Frente Nacional de Prefeitos (FNP), consórcio pretende dar suporte aos municípios caso o Plano Nacional de Imunização (PNI) não consiga suprir a demanda nacional.

Arujá e Ferraz de Vasconcelos estão na lista de cidades que manifestaram interesse em fazer parte de um consórcio público liderado pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP) para a aquisição de vacinas contra a Covid-19.

O prazo para adesão das cidades, que não tem custo, vai até esta sexta-feira (5). Na atualização mais recente, 1.031 municípios brasileiros constavam na lista de interessados, sendo Arujá e Ferraz as únicas cidades do Alto Tietê até então.

A ideia da FNP é que o consórcio seja constituído e instalado até 22 de março. De acordo com a entidade, o consórcio “dará suporte aos municípios caso o Plano Nacional de Imunização (PNI), do governo federal, não consiga suprir a demanda nacional”.

A Frente Nacional de Prefeitos destaca que a ideia de constituir um consórcio público “está fundamentada na Lei nº. 11.107/2005” e que, “de acordo com o PNI, a obrigação de adquirir imunizantes para a população é do governo federal. No entanto, diante da situação de extrema urgência em vacinar brasileiros e brasileiras para a retomada segura das atividades e da economia, o consórcio público, amparado na segurança jurídica oferecida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), torna-se uma possibilidade de acelerar esse processo”.

Em fevereiro, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu autorizar estados e municípios a comprar e distribuir vacinas contra a Covid-19. A permissão valerá caso o governo federal não cumpra o Plano Nacional de Imunização ou caso as doses previstas no documento sejam insuficientes.

Segundo a FNP, “os recursos para a compra de vacinas poderão ser disponibilizados de três formas: por meio dos municípios consorciados, de aporte de recursos federais e de eventuais doações nacionais e internacionais”.

“O consórcio não é para comprar imediatamente, mas para termos segurança jurídica no caso de o PNI não dar conta de suprir toda a população. Nesse caso, os prefeitos já teriam alternativa para isso”, explicou o presidente da FNP, Jonas Donizette, que disse também que a primeira tentativa será para que as cidades não precisem desembolsar nada para a aquisição das vacinas.

“Caso isso ocorra, a ideia é reembolsá-los. Não seria adequado os municípios terem esse gasto diante do PNI, pois já estão afogados em dívidas por conta do momento”, falou Donizette, ao site da FNP.

De acordo com o secretário-executivo da Frente Nacional de Prefeitos, Gilberto Perre, a intenção “não é competir com o Ministério da Saúde na compra de vacinas, mas de somar esforços”.

“Os desafios são grandes, mas a proposta não é contrapor o governo em relação às vacinas que já estão em contratação. É somar esforços com as que têm potencial. Essa pandemia pode se transformar em endemia e os municípios precisam estar preparados para alcançar resultados positivos com a vacinação”, falou Perre.

Em nota, a Prefeitura de Ferraz de Vasconcelos disse que, “neste momento, é fundamental a união dos municípios para que se amplie a imunização da população, abrindo um novo canal para a aquisição de vacinas e insumos, por isso está aderindo a este futuro consórcio”.

G1 também pediu uma posição à Prefeitura de Arujá e aguarda retorno.

Leave your vote

Comentários

mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • Adicionar um comentário

    Log In

    Forgot password?

    Don't have an account? Register

    Forgot password?

    Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

    Your password reset link appears to be invalid or expired.

    Log in

    Privacy Policy

    Add to Collection

    No Collections

    Here you'll find all collections you've created before.

    Quer receber notificações em sua tela?
    Não
    Permitir Notificações