Cidades do Alto Tietê adaptam Campanha do Agasalho durante pandemia do coronavírus

Prefeituras adotaram medidas diferentes neste ano para não colocar em risco a saúde de doadores e beneficiados.

O frio intenso chegou às cidades do Alto Tietê e com ele vem à tona a importância da Campanha do Agasalho. Neste ano, por causa da pandemia do coronavírus (Covid-19), a maior parte dos municípios ainda não tem previsão sobre a campanha.

Em outras cidades, como Mogi das Cruzes e Ferraz de Vasconcelos, a iniciativa precisou ser adaptada para atender às necessidades das pessoas que dependem das doações.

As caixas de coleta, que nesta época do ano deveriam estar espalhadas pela cidade, estão em número reduzido. Em Mogi, a Campanha do Agasalho recebeu mudança para garantir a segurança de quem doa e quem recebe.

“A gente tinha uma estratégia de fazer uma abertura, como todos os anos foram feitos. Com a pandemia a gente tem que reestruturar e fazer a questão do drive-thru, que a gente chama de drive-thru solidário”, explica José Luiz Furtado, diretor do Fundo Social do município.

Aos poucos, cobertores e agasalhos vão chegando. As voluntárias que costumam ajudar na separação das peças são do grupo de risco e, portanto, estão em casa protegidas. Enquanto isso os organizadores da campanha se organizam como podem para auxiliar os mais necessitados. De acordo com José, a população tem colaborado.

“Num primeiro momento a gente acabou direcionando os agasalhos que foram doados para as duas novas casas de passagem, que foram construídas na cidade para poder atender o pessoal em situação de rua na pandemia. Agora a gente vai direcionar novamente para a campanha do agasalho”, afirma.

A abertura oficial da campanha será no dia 10 de junho e os postos de coleta serão instalados em mercados e farmácias, locais que permanecem abertos durante a pandemia. Por causa do coronavírus, o Fundo Social do Estado deu autonomia para que os municípios se organizem e realizem suas campanhas de acordo com a realidade de cada local, seguindo os protocolos de segurança no combate à doença.

Em Ferraz de Vasconcelos, por exemplo, diversas medidas foram adotadas para garantir esses cuidados, como explica Bruna Carolina Chacon, presidente do Fundo Social.

“Esse ano a gente, para manter a segurança da nossa equipe, também de quem vai receber os agasalhos, a gente utilizou umas roupas que a gente já tinha guardada e a gente só arrecadou entre os servidores. Uma quantidade bem menor, a gente higienizou essas roupas dentro dos protocolos e a gente começa a distribuição na próxima terça-feira (2)”.

No município, a ação foi dividida em duas fases. A população carente do município deve receber cobertores e agasalhos em breve. Nesse primeiro momento as doações serão direcionadas a unidades de acolhimento.

“Essa primeira distribuição, que é a primeira etapa da campanha, a gente vai até os serviço de abrigo, de acolhimento, de pessoas em situação de rua. Então, na primeira etapa, a gente atende só pessoa em situação de rua. Eles já estão lá em quarentena nos dois acolhimento e não vai ter problema”, afirma Bruna.

Para não colocar a saúde dos beneficiados em risco, a entrega da doação será feita com o apoio de uma equipe da Secretaria de Saúde. Durante a ação também serão realizados testes rápidos de hepatite, sífilis e HIV e, neste ano, também da Covid-19.

“Em uma segunda etapa da campanha, a gente vai ficar com alguma roupa aqui de reserva, cobertores, e a gente vai doar para quem precisa, mas já vai levar direto na casa da pessoa. Não é possível como a gente fazia antes que a pessoa vai escolher, porque não tem como aglomerar. Para segurança, a gente vai ter que fazer uma campanha mais modesta focando realmente em quem precisa”, conclui a presidente.

Outras informações sobre a Campanha de Ferraz podem ser obtidas por meio do telefone (11) 4674-1393. Em Mogi, a população pode consultar detalhes pelo WhatsApp (11) 97407-8411.

Comentários

mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • Adicionar um comentário