Fase de Transição do Plano SP volta a ser prorrogada e segue até 14 de junho no Alto Tietê, anuncia governo

Fase de Transição do Plano SP volta a ser prorrogada e segue até 14 de junho no Alto Tietê, anuncia governo

Essa é a quarta vez em que a fase, considerada “transitória” entre vermelha e laranja, é prorrogada. Estabelecimentos poderão funcionar das 6h às 21h, com 40% da capacidade.

A Fase de Transição do Plano São Paulo voltou a ser prorrogada e seguirá até o dia 14 de junho nas cidades do Alto Tietê. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (26) pelo Governo do Estado.

Ao longo das próximas semanas, os comércios e serviços da região devem continuar funcionando das 6h às 21h, com 40% da capacidade. A expectativa é que flexibilizações sejam divulgadas no dia 14.

Essa é a quarta vez em que a fase, considerada “transitória” entre vermelha e laranja, é prorrogada. 

Anúncio Patrocinado

Funcionamento dos serviços na fase de transição até 14 de junho:

  • Shoppings e lojas de rua podem ter atendimento presencial, das 6h às 21h, com público limitado a 40% da capacidade total;
  • Restaurantes e lanchonetes podem ter atendimento presencial, das 6h às 21h, com público limitado a 40% da capacidade total;
  • Salões de beleza e barbearias podem ter atendimento presencial, das 6h às 21h, com público limitado a 40% da capacidade total;
  • Cinemas, teatros, museus, eventos e convenções podem funcionar, das 6h às 21h, com controle de acesso, assentos marcados e público sentado limitado a 40% da capacidade total;
  • Academias, clubes e centros esportivos podem funcionar durante oito horas, dentro do período das 6h às 21h, apenas para atividades físicas individuais agendadas, com público limitado a 40% da capacidade total;
  • Parques estaduais e municipais podem funcionar das 6h às 18h, sem aglomerações;
  • Cultos, missas e outras atividades religiosas coletivas podem ocorrer, com distanciamento e controle de acesso.

O que continua?

  • Toque de recolher das 21h às 5h;
  • Obrigatoriedade do teletrabalho para atividades administrativas;
  • Recomendação de escalonamento do horário de entrada de trabalhadores da indústria (das 5h às 7h), serviços (das 7h às 9h) e comércio em geral (9h às 11h).

O que mais poderá funcionar durante a fase de transição?

  • Educação: atividades presenciais voltam a ser permitidas, mas não são obrigatórias. Escolas deverão respeitar o limite de 35% de frequência diária;
  • Saúde: hospitais, clínicas, farmácias, clínicas odontológica e estabelecimentos de saúde animal;
  • Alimentação: supermercados, hipermercados, açougues e padarias, lojas de suplemento e feiras livres, sem restrição de horário.
  • Segurança: serviços de segurança pública e privada;
  • Comunicação: meios de comunicação social executados por empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagem;
  • Construção civil e indústria: sem restrições. Lojas de material de construção voltam a ser permitidas;
  • Serviços gerais: hotéis, lavanderias, serviços de limpeza, manutenção e zeladoria, serviços bancários (incluindo lotéricas), serviços de call center, assistência técnica de produtos eletroeletrônicos; bancas de jornais e atividades religiosas;
  • Logística: estabelecimentos e empresas de locação de veículos, oficinas de veículos automotores, transporte público coletivo, táxis, aplicativos de transporte, serviço de entrega e estacionamentos;
  • Abastecimento: cadeia de abastecimento e logística, produção agropecuária e agroindústria, transportadoras, armazéns, postos de combustíveis e lojas de materiais de construção.

Plano São Paulo

Desde o dia 1º de junho de 2020, o governo realiza diferentes flexibilizações da quarentena nas regiões do estado.

São levados em consideração alguns indicadores, a como ocupação e quantidade de leitos de UTI para Covid-19, além dos números de casos, internações e óbitos por 100 mil habitantes.

Esses indicadores podem colocar as regiões em diferentes fases de flexibilização das atividades:

  • fase vermelha (alerta máximo)
  • fase laranja (controle)
  • fase amarela (flexibilização)
  • fase verde (abertura parcial)

À medida que as diferentes regiões do estado avançam ou regridem nesses indicadores, o governo estadual atualiza a fase em que cada uma se encontra no Plano SP, permitindo maior flexibilização nas atividades ou, então, impondo medidas mais restritivas.

Histórico do Alto Tietê no Plano São Paulo

  • O Alto Tietê iniciou o Plano São Paulo sendo classificado na fase vermelha, em que apenas serviços essenciais podiam funcionar, a exemplo do que vinha acontecendo desde o começo da quarentena, em março.
  • Em 15 de junho, a região passou para a fase laranja, que permitia a abertura de shoppings centers, comércio e outros serviços, com capacidade limitada a 20%, horário reduzido a quatro horas seguidas e adoção de vários protocolos de segurança.
  • Após quatro semanas, no dia 13 de julho, a região foi reclassificada para a fase amarela, permitindo maior flexibilização no funcionamento do comércio, além da reabertura gradual de setores como bares e restaurantes para consumo local, salões de beleza e academias, todos com restrições e adotando protocolos de segurança.
  • Após 15 dias nessa etapa, universidades puderam reabrir para atividades práticas, bem como cursos profissionalizantes e de educação não-regular, como de idiomas, música e dança.
  • Ao completar 28 dias na fase amarela, a reabertura do setor cultural também foi permitida, desde que fossem seguidos os critérios de segurança. Na ocasião, porém, o setor cultural do Alto Tietê avaliou que ainda era cedo para retomar as atividades presenciais.
  • O Alto Tietê foi reclassificado para a fase verde pela primeira vez em 10 de outubro, o que permitiu flexibilização ainda maior no funcionamento das atividades.
  • Porém, no dia 30 de novembro, a região regrediu para a fase amarela, onde permaneceu até o dia 22 de janeiro, quando regrediu para a fase laranja com restrições da vermelha aos finais de semana e entre 20h e 6h nos dias úteis.
  • No dia 3 de fevereiro o Governo Estadual tirou as restrições da fase vermelha e manteve apenas as restrições da laranja. No dia 5, passou para a amarela, onde se manteve na atualização de 19 de fevereiro.
  • No dia 1º de março, as cidades da região regrediram para a fase laranja, sendo que, desde o dia 24, já seguia o ‘toque de restrição’, que proibia a circulação de pessoas das 23h às 5h.
  • Com alta de casos da Covid-19 em todo o Estado, o Alto Tietê regrediu para a fase vermelha no dia 6 de março. Naquele dia também foi ampliado o toque de restrição, passando a valer das 20h às 5h.
  • No dia 15 de março, São Paulo entrou na fase emergencial, que tornou as restrições da anterior ainda mais duras. Ela seguiu até o dia 11 de abril.
  • Já no dia 12, a região e todo o Estado avançaram para a fase vermelha. No entanto, algumas restrições foram mantidas.
  • O Governo do Estado anunciou a criação da fase de transição, que entrou em vigor no dia 18 de abril e permitiu a reabertura do comércio e das atividades religiosas presenciais, mediante restrições. No dia 24, a fase avançou com a retomada dos serviços.

Deixe seu voto

mood_bad
  • Nenhum comentário.
  • Comentar

    Veja Também

    Log In

    Forgot password?

    Don't have an account? Register

    Forgot password?

    Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

    Your password reset link appears to be invalid or expired.

    Log in

    Privacy Policy

    Add to Collection

    No Collections

    Here you'll find all collections you've created before.

    Alto Tietê Online Receba novidades e notificações na tela do seu dispositivo.
    Não
    Permitir Notificações