Guarulhos: Vítima e bala perdida durante caminhada no Cecap relata “sensação de pavor”

O tiro que atingiu o antebraço esquerdo de Claudia Poli foi disparado por volta de 8h30 deste domingo, 28, na avenida Ministro Evandro Lins e Silva

“Foi tudo muito rápido. Não deu tempo de ver nada, só de sentir um tranco no meu braço”. A sensação descrita por Claudia Poli, de 58 anos, aconteceu assim que ela foi vítima de uma bala perdida, que atingiu seu antebraço esquerdo, na manhã deste domingo, 28/3, enquanto caminhava em uma pista no Cecap, nas proximidades do condomínio Espírito Santo.

O tiro ocorreu por volta de 8h30 na avenida Ministro Evandro Lins e Silva. Claudia caminhava com amigos, quando sentiu um impulso no braço. “Não senti dor. Primeiro escutei o barulho do tiro, olhei meu braço e vi que tinha sido atingida. Saí correndo abaixada achando que poderia vir mais. Não sabia o que estava acontecendo, porque estava de costas”, afirma, segundo o GuarulhosWeb, a auxiliar de odontologia, que trabalha na UBS Cambará, no Continental II.

“A sensação é de pavor no primeiro momento. Você não lembra nem que está com dor, sangrando. Você só tem medo. Todo mundo gritando ‘tiro, tiro’. O pessoal saiu correndo e eu fui segurando meu braço pra estancar o sangue e correndo para o hospital, ali pertinho”, completa Claudia, que estava a poucos metros do Hospital Geral de Guarulhos, onde foi atendida. Na unidade de saúde, ela passou por um pequeno procedimento cirúrgico para a emoção do fragmento da munição. Em pouco mais de duas horas, a mulher foi liberada.

Claudia – que chegou a tirar fotos momentos antes de ser atingida – faz caminhada na pista há cerca de três anos e sempre se sentiu segura no local que, segundo ela, é bem observado por policiais. Entretanto, ela ainda não está totalmente recuperada do susto. “Eu estou com muito medo. O pouco que saio na rua, já tenho a sensação de pavor, de que alguma coisa vai acontecer. Tenho uma prima que está me ajudando com relação a isso, porque tem alguns amigos que são psicólogos. É preocupante, porque você sai numa boa, pra relaxar da tensão do dia a dia, de um trabalho tenso na área da saúde e, do nada, acontece isso. Ainda estou bem abalada psicologicamente”, relata.

Caçadores de capivara?

A hipótese levantada nas redes sociais foi descartada por fontes ouvidas pelo GuarulhosWeb. Além de Claudia, que frequenta a região há anos, nunca ter visto um caçador ou sequer uma capivara, a munição que a atingiu, guardada por ela após “presente” do médico que a removeu, dificilmente seria utilizada para a atividade.

A bala que atravessou o braço de Claudia é, possivelmente, de um fuzil 556, dificilmente utilizada para essa atividade, sobretudo em meio à cidade, em um local extremamente movimentado. Outras duas situações rechaçam a hipótese. Primeiro, a alguns quilômetros do Cecap, fica o Parque Ecológico do Tietê, mais frequentado por capivaras, portanto, mais assertivo para a caça. Segundo, por que algum caçador atiraria em um local sem a presença dos animais, tão habitado e próximo do Batalhão da Polícia Militar e da Base Aérea? São áreas com presença frequente de agentes de segurança e, diante da proibição da prática – considera crime ambiental – o infrator estaria correndo risco de ser preso imediatamente.

A reportagem entrou em contato com a Polícia Militar, que confirmou o incidente. A Secretaria de Segurança Pública, contudo, não encontrou Boletim de Ocorrência do caso.

Leave your vote

Comentários

mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • Adicionar um comentário

    Log In

    Forgot password?

    Don't have an account? Register

    Forgot password?

    Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

    Your password reset link appears to be invalid or expired.

    Log in

    Privacy Policy

    Add to Collection

    No Collections

    Here you'll find all collections you've created before.

    Quer receber notificações em sua tela?
    Não
    Permitir Notificações