Após 13 anos em Mogi, Galpão Arthur Netto vai fechar as portas

Espaço vai encerrar as atividades após o Festival Dente-de-leão, que será realizado a partir de terça-feira (1º). Segundo os gestores, as principais dificuldades são a falta de dinheiro para arcar com as contas do espaço e a redução do público e de alunos em oficinas.

Após 13 anos funcionando como espaço cultural, em Mogi das Cruzes, o Galpão Arthur Netto vai fechar as portas por falta de verba neste mês.

O local vai encerrar as atividades após o Festival Dente-de-leão, que será realizado entre os dias 1º e 19 de outubro.

Situações deste tipo têm sido frequentes na região. No ano passado, o espaço cultural do grupo Contadores de Mentira, em Suzano, também fechou as portas por falta de recursos.

Neste ano, foi o Casarão da Mariquinha, em Mogi, que deixou de funcionar depois que o dono pediu a liberação do imóvel.

Atualmente o Galpão é administrado por três gestores: Thiago Costa, Nilceu Filho e Izabela Zandoná.

Segundo eles, a principal dificuldade é a falta de dinheiro para manter as atividades e arcar com as contas do espaço.

Costa afirma que tem sido complicado fechar as finanças do espaço e há ainda outros fatores. “O fechamento em si é uma situação não só financeira, mas atrelada a uma falta de pessoal para trabalhar lá”.

O Galpão não possui vínculos com a Prefeitura, mas há um ano foi classificado no edital do Programa de Fomento à Arte e Cultura (Profac) e, desde então, os gestores usam o dinheiro para pagar o aluguel do espaço, que segundo Costa, é de R$ 3,2 mil por mês.

Além disso, no local havia quatro professores e cada um recebia R$ 3 mil por ano, mas, com a dívida chegando aos 10,5 mil, ele diz que ficou difícil manter o espaço aberto. “Nesse último ano tínhamos dinheiro para pagar o aluguel, mas não tínhamos para comprar copo descartável”, conta um dos gestores, Nilceu Filho.

O secretário municipal de Cultura, Mateus Sartori, afirma que, por meio do edital, a Prefeitura repassou ao espaço R$ 50 mil.

“Eles foram contemplados no nosso programa de fomento, como foi o caso do Casarão da Mariquinha, escola AJPS de Artes, recentemente o Missão Intensidade, território lá no Novo Horizonte e também o Casarão do Chá. Temos hoje cinco territórios fomentados e cada um deles recebe esse valor justamente para ajudar a bancar o custeio do equipamento”, explica o secretário.

Sartori diz que lamenta o fechamento de um espaço cultural da cidade. “Lamentamos o fechamento do espaço, mas não só do Galpão, assim como qualquer outro equipamento de cultura que fecha, é muito triste para cidade”.

Ao longo dos 13 anos, o local foi mantido com recursos próprios dos artistas e verba arrecadada com os espetáculos. Mas, segundo os gestores, as dívidas acumuladas os deixaram sem opção. “Tem uma despesa há mais de um ano que não conseguimos quitar”, diz Filho.

O espaço recebia três oficinas de teatro adulto e uma de circo com até 20 alunos cada. De acordo com Filho, ao longo dos 10 anos eles formaram turmas de teatro adulto, adolescente e infantil além da realização de oficinas regulares de práticas circenses.

Os gestores apontam ainda a falta de público como outro fator que contribuiu para o encerramento das atividades.

“O público ajudava com dinheiro e, hoje, as pessoas que frequentam o Galpão para assistir os espetáculos e os alunos pagantes que participam das oficinas diminuíram extremamente. A gente não consegue mais bancar o aluguel com a ajuda dessas pessoas”, esclarece uma das gestoras e atriz, Isabela Zandoná.

O secretário de Cultura conta que a Prefeitura se colocou à disposição para ajudá-los financeiramente, inclusive com o festival de encerramento.

Sartori aponta que não houve interesse por parte dos gestores em manter o espaço aberto. Ele diz ainda que a Prefeitura fez a sua parte. “Eles disseram que não há interesse do próprio Galpão em seguir, acredito que tenha alguma coisa relacionada a gestão atual. A Prefeitura faz aquilo que é possível, mas lamentamos, nossa parte estamos fazendo”.

Os alunos

Para os alunos, o fechamento do Galpão traz comoção. “É uma tristeza muito grande para mim e olha que estou lá há pouco mais de um ano”, conta a aluna Dáfine Evelin Pereira.

O aluno e ator Guilherme Mattos diz que realizou um sonho ao participar do Festival Internacional de Teatro, Knots Nudos, em 2017. “O Galpão Arthur Neto mudou minha vida. Proporcionando muita alegria e amor”.

A Yasmin Guidella entrou no Galpão em 2018 para substituir uma atriz e, logo depois, foi convidada para participar do grupo definitivamente. “Lá é um espaço muito incrível, um ambiente agradável, tem uma estrutura ótima para ensaiar, eu fiquei encantada”, lembra.

Yasmin conta que o local é como se fosse a sua casa e que, com certeza, sentirá muita falta. “Eu fico muito triste, é uma perda muito grande para mim, sou muito grata por tudo o que aprendi e vou levar para sempre. É muito decepcionante porque era minha casa, eu praticamente vivia lá e vou sentir muita falta”.

A história

A história do Galpão Arthur Netto começou em 2006, quando o grupo da Companhia do Escândalo sentiu a necessidade de ter um lugar para ensaiar e, a partir daí, começou a procurar por um espaço.

O grupo encontrou o espaço em julho do mesmo ano, no Jardim Ivete, e planejava a inauguração para setembro, mas um dos atores foi agredido e morreu antes da realização desse sonho.

“No dia 5 de agosto de 2006, o Arthur foi agredido de maneira muito violenta, saindo de uma casa noturna às 4h da manhã. Eram duas ou três pessoas, mas o inquérito ainda segue e ninguém foi preso até hoje. Ele ficou internado por 15 dias, com sequelas psicológicas e físicas e, infelizmente, faleceu no dia 15 de setembro de 2006”, lembra o amigo de Arthur, Manoel Mesquita Junior.

Junior conta que todos sofreram muito com a perda. “Só fomos fazer atividades no espaço no final do ano, em homenagem a ele, a partir desse momento batizamos o Galpão de Arthur Netto”.

O grupo ficou três anos no local apenas com atividades internas e, quando novos artistas começaram a chegar, eles decidiram procurar um espaço maior.

“No dia 30 de junho de 2009, inauguramos o endereço atual. Foi aí que realmente abrimos ao público e começamos uma agenda intensa. Até agora formamos mais de 2 mil pessoas”, conta o fundador.

O Galpão Arthur Netto funcionou 10 anos na Avenida Fausta Duarte de Araújo, 23, em Mogi das Cruzes e, agora, anuncia o fim de seu ciclo.

Festival Dente-de-leão

Para simbolizar o encerramento das atividades o Galpão realizará entre os dias 1º e 19 de outubro, o Festival “Dente- de-leão: Sobre Romper o Asfalto para Provar Ser Existente”.

A Prefeitura apoiou o evento. “Em reunião com o pessoal do Galpão, nos colocamos à disposição para ajudá-los, dissemos que novamente abriremos os editais e que eles teriam condições de serem contemplados de novo pela importância do equipamento. A pedido do Galpão, fizemos a contratação de parte de produção executiva do festival, R$ 4,5 mil para duas semanas de atividades”, explica o secretário.

A programação conta com espetáculos teatrais, apresentações circenses, shows musicais, performances, exposições de artes plásticas e de fotografia, debates e rodas de conversa.

“O festival Dente-de-leão é o encerramento do Galpão Arthur Netto e, que este ciclo, libere pelo ar ‘a ideia de renascer em lugares diversos’. Queremos o Galpão em todos os cantos: No asfalto, vias públicas, bairros e escolas. Queremos cultura e cidadania por toda parte”, deseja o aluno e ator, Guilherme Mattos.

*Sob a supervisão de Fernanda Lourenço

Leave your vote

Comentários

mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • Adicionar um comentário

    Log In

    Forgot password?

    Don't have an account? Register

    Forgot password?

    Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

    Your password reset link appears to be invalid or expired.

    Log in

    Privacy Policy

    Add to Collection

    No Collections

    Here you'll find all collections you've created before.