Procon de Mogi fiscaliza preços de álcool em gel e máscaras praticados em estabelecimentos da cidade

Procon de Mogi fiscaliza preços de álcool em gel e máscaras praticados em estabelecimentos da cidade

Estabelecimentos em que o preço do produto estava acima do normal deverão comprovar que apenas repassaram aumento do fornecedor, ou então serão multados.

Após receber reclamações sobre preços abusivos de álcool em gel e máscaras, o Procon de Mogi das Cruzes realizou uma fiscalização a cinco estabelecimentos da cidade, nesta terça-feira (17).

A artesã Sirlei Mariano tem um filho com uma doença rara e por isso precisa sempre ter máscaras descartáveis em casa. Só que nos últimos dias tem encontrado o produto com preços diferentes.

“Hoje está R$ 1,38, mas eu achei em outra farmácia a R$ 0,50 a unidade. E o álcool em gel você não acha para comprar”, diz.

Em uma farmácia da cidade, o kit com 200 unidades estava custando R$ 135. Mas segundo as reclamações registradas no Procon de Mogi, um dia antes, o mesmo conjunto de máscaras chegou a custar R$ 200.

O diretor do Procon de Mogi, Fernando Muniz, explica que o consumidor já notou que o preço praticado era de R$ 200 e baixou para R$ 135. “É claro que o comerciante está flutuando este preço para o benefício próprio”, detalha.

A dona de casa Lucinea Bueno pagava em média R$ 30 por 100 máscaras. Nesta terça-feira, ela conseguiu comprar um pacote com 3 por R$ 17,40. “A minha sogra precisa. Ela tem que estar sempre levando, e ela está na linha de risco do coronavírus”, conta.

Em cinco dias foram registradas 50 reclamações – todas relacionadas à prática abusiva de preços de produtos como álcool em gel e máscara. A expectativa é de que a operação fiscalize pelo menos 25 estabelecimentos, como farmácias e supermercados.

“O aumento das reclamações tem uns cinco dias. Hoje, essa ação vai fiscalizar qualquer estabelecimento que venda estes produtos que estão sendo procurados, em razão da pandemia”, diz o diretor.

Em outra farmácia, o frasco de álcool em gel de 500 ml custava R$ 45. Segundo o Procon, o valor do mesmo produto variava de R$ 10 a R$ 15. “Nós viemos até a farmácia para notificar o empresário, para que forneça as notas fiscais de compra desses produtos, para ver se de fato o aumento partiu dele ou veio do fornecedor”, ressalta Muniz.

Os locais visitados foram notificados e depois disso terão um prazo para apresentar as justificativas. Caso não consigam comprovar o motivo do aumento nos preços serão multados.

A produção do Diário TV tentou contato com as farmácias citadas na reportagem para falar sobre o assunto, mas não teve retorno.

Ainda de acordo com o Procon, cinco estabelecimentos foram fiscalizados. O órgão disse que a fiscalização continua por tempo indeterminado. O telefone para denúncias e informações é o 4798-5090.

Deixe seu voto

mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • Adicionar um comentário

    Veja Também

    Log In

    Forgot password?

    Don't have an account? Register

    Forgot password?

    Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

    Your password reset link appears to be invalid or expired.

    Log in

    Privacy Policy

    Add to Collection

    No Collections

    Here you'll find all collections you've created before.

    Quer receber notificações em sua tela?
    Não
    Permitir Notificações