Ritmista de escola de samba morre de Covid-19 aos 25 anos em Mogi

Ritmista de escola de samba morre de Covid-19 aos 25 anos em Mogi

Gustavo Henrique José de Goes, de 25 anos, era ritmista na Escola de Samba Unidos da Vila Industrial. O músico chegou a procurar atendimento médico duas vezes e, em uma delas, segundo a família, o médico disse que os sintomas eram de nervoso.

Apaixonado pela música, companheiro e alto astral são as lembranças que Nayra Cristina José de Goes, de 17 anos, guarda do irmão Gustavo Henrique José de Goes, de 25 anos, mais conhecido como Batata. O músico foi mais uma vítima da Covid-19, em Mogi das Cruzes.

O jovem morreu no dia 6 de dezembro, uma semana depois de ser internado no Hospital Municipal. O músico chegou a procurar atendimento médico duas vezes e, em uma delas, de acordo com a família, o médico disse que os sintomas eram de nervoso.

A irmã contou que ele não tinha nenhuma doença crônica, mas estava acima do peso. Segundo ela, Goes foi internado no dia 28 de novembro na terceira vez que buscou atendimento e foi entubado dois dias depois.

“Quando chegou ao hospital estava com 80% do pulmão comprometido, uma tomografia feita no hospital apontou. Até entubar ele estava consciente, o médico explicou tudo para ele. Meu último encontrou com ele foi na visita no dia 3 de dezembro, mas já estava entubado”, afirma Nayra.

A Secretaria Municipal de Saúde informou que “lamenta profundamente o ocorrido e informa que o paciente recebeu todos os cuidados e tratamentos possíveis nas unidades de saúde que buscou atendimento, no entanto, o avançar da doença, as graves complicações e comorbidades existentes agravaram de sobremaneira o quadro clínico, sem possibilidade de reversão. Todas as informações estão à disposição da família, a quem prestamos nossas condolências.”

De acordo com Nayra, no final de novembro o irmão começou a ter sintomas de gripe, cansaço, falta de ar, dor no corpo e febre de 40 graus.

“Eu fiz um chá para ele e não adiantou. Levei no posto de saúde do Jardim Universo e disseram que era nervoso. Depois fomos na UPA do Rodeio fizeram um teste de Covid lá, mas não fizeram raio-X ou tomografia e mandaram ele ficar isolado em casa por 14 dias. Mas como não melhorou levei ele no Hospital Municipal.”

Contaminação

Nayra e Gustavo Henrique moravam juntos na Vila Industrial. Ela diz que no final de outubro também teve Covid, mas não sabe identificar como o irmão se contaminou.

“Não sei se foi nos pagodes onde tocava, que diminuíram com a pandemia, ou se no caminho para o serviço ou transporte público.”

A irmã diz que o jovem trabalhava em um escritório de contabilidade durante a semana e, aos finais de semana, tocava com o grupo de pagode do qual fazia parte.

Música e Filhos

Nayra detalha que a paixão de Gustavo Henrique era a música. “Ele era ritmista da Unidos da Vila Industrial desde criança. Tocava surdo e percussão, mas o amor dele era o surdo.”

O maior sonho era que o grupo de pagode do qual fazia parte crescesse. “Ele queria dar o melhor para os filhos dele e para mim. Era uma pessoa boa e que podia contar para tudo. Era risonho nunca ficava triste e estava sempre de alto astral.”

Batata, como era mais conhecido, deixou dois filhos: Davi de 4 anos e João 11 meses. “O Davi fala que o pai virou estrelinha e está junto com a avó dele no céu”, conta Nayra. Além de Nayra e dos filhos, o jovem deixou mais uma irmã e três irmãos.

Deixe seu voto

mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • Adicionar um comentário

    Veja Também

    Log In

    Forgot password?

    Don't have an account? Register

    Forgot password?

    Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

    Your password reset link appears to be invalid or expired.

    Log in

    Privacy Policy

    Add to Collection

    No Collections

    Here you'll find all collections you've created before.

    Quer receber notificações em sua tela?
    Não
    Permitir Notificações