Tecnologia e exercícios mantêm idosos do Alto Tietê ocupados durante isolamento por causa do coronavírus

Tecnologia e exercícios mantêm idosos do Alto Tietê ocupados durante isolamento por causa do coronavírus

Psicólogo Wagner Fujarra afirma que não estamos isolados, pois temos telefones e celulares para nos comunicar e defende que terceira idade tenha tarefas, como cuidados com a casa ou as plantas.

Em tempos de isolamento social por causa do novo coronavírus, os idosos do Alto Tietê estão mostrando que ocupar o dia ajuda e muito a vencer as saudades da família e da antiga rotina.

Relatórios da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde colocam os idosos entre os mais vulneráveis à Covid-19, causada pelo novo coronavírus. E também entre aqueles afetados pelos maiores índices de letalidade quando atingidos pelo novo coronavírus.

Rita Renzi, de 66 anos, mora em Mogi das Cruzes, e há 13 dias está sem sair de casa. Influenciadora digital, ela mantém um perfil em uma rede social voltado para quem está acima dos 60 anos.

“Eu faço pagamentos e transferências online. E também faço as atividades da faculdade porque sou estudante de direito. Então meus professores enviam atividades. Eu já faço e reenvio via e-mail também.”

Já o casal Ângela e Joaquim Custódio mora na Vila Moraes, em Mogi das Cruzes. Eles aproveitam o espaço da casa para caminhar. “Procura fazer uma caminhada, 20, 30 minutos tá bom. Só não para não. Isso faz com que a gente se alegre um pouco e tira um pouco do estresse”, afirma Joaquim.

E é caminhando dentro do apartamento onde mora, também em Mogi das Cruzes, que Maria Aparecida Andrade Oliveira, de 71 anos, e o marido tem passado os dias de isolamento. O casal tinha uma rotina cheia antes da determinação de ficar em casa. Eles faziam exercícios no Pró-Hiper e dançavam. “Estamos há 15 dias dentro do nosso apartamento. Nossa filha e nosso genro é quem está fazendo nossas compras.”

Morador de Suzano Valter Lemos, de 69 anos, vinha a Mogi das Cruzes para frequentar as aulas na Unai. Agora, dentro de casa, ele procura manter uma rotina com exercícios. “Melhor forma da gente se sentir bem é aumentar a atividade física, um bom sono, ingerir muito líquido contribui bastante para que tenhamos a melhor saúde”

Apoio

O psicólogo Wagner Fujarra, de 46 anos, afirma que o termo isolamento pode trazer ainda mais danos para a saúde mental dos idosos. “Isso traz sofrimento para eles. Não estamos isolados, pois temos telefones e celulares para quem consegue lidar com essa tecnologia.”

Ele explica que os idosos são mais propícios à depressão e até ao suicídio. Por isso, é importante que busquem algum tipo de dedicação seja a casa ou as plantas, por exemplo. “Quem tem aptidão com música, canto e dança pode se dedicar a isso também.”

Ele destaca que a família é um importante ponto de apoio do idoso. “Além das ligações constantes , colocar os netos para falar . A leitura ajuda muito , então podem comprar livros da preferência do idoso, comprar por sites e mandar no endereço dele.”

Fujarra destaca que a família deve ficar atenta ao idoso que toma medicação. “Se for necessário comprar as medicações pedindo por entregas on line.”



Deixe seu voto

mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • Adicionar um comentário

    Veja Também

    Log In

    Forgot password?

    Don't have an account? Register

    Forgot password?

    Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

    Your password reset link appears to be invalid or expired.

    Log in

    Privacy Policy

    Add to Collection

    No Collections

    Here you'll find all collections you've created before.

    Quer receber notificações em sua tela?
    Não
    Permitir Notificações