Brasil é o 6º no ranking no mundo em gastos com funcionários públicos

Brasil é o 6º no ranking no mundo em gastos com funcionários públicos

País está na frente de todos da América e até de nações reconhecidas pela participação ativa do Estado: Suécia, França, Itália e Alemanha

O Brasil é um dos países que mais gastam no mundo com o funcionalismo público, de acordo com estudo da CNI (Confereração Nacional da Indústria).

A confederação defende no documento a reforma administrativa que está em tramitação no Congresso Nacional como solução essencial para aumentar a capacidade de investimentos dos governos federal, estaduais e municipais, utilizando levantamentos e pesquisas de órgãos internacionais.

As despesas com servidores públicos, ativos e inativos, equivaleram a 13,4% do PIB em 2018, o que coloca o Brasil na 6ª colocação entre mais de 70 países para os quais o fundo disponibiliza dados para 2018, segundo levantamento do FMI (Fundo Monetário Internacional),

“Na América Latina, notamos que, na maioria dos países, os percentuais são bem inferiores: Colômbia (6,4%), Peru (6,6%) e Chile (6,9%), por exemplo”, cita a CNI.

De acordo com a CNI, o percentual é ainda maior levando em conta o Relatório do Tesouro Nacional e o Boletim de Finanças dos Entes Subnacionais. De acordo com eles, a despesa pública total com pessoal, ativo e inativo, foi de aproximadamente 15% do PIB, em 2018 e 2019.

No ranking, o Brasil está na frente até de países desenvolvidos e reconhecidos pela participação bastante ativa do Estado: Suécia (12,7%), França (12,1%), Itália (9,5%) e Alemanha (7,5%), por exemplo.

“Entre os poucos que superam o percentual do Brasil, destacam-se Arábia Saudita, Dinamarca e Noruega, com 16,5%, 15,3% e 14,3%, respectivamente. Ainda falando sobre o topo do ranking, chama atenção a posição da África do Sul, que gasta com servidores 14,6% do seu PIB”, diz o documento.

Os números do FMI mostram que, na média, os países da OCDE gastam 9,9% do PIB com trabalhadores públicos,

Percentual da população é baixo

O documento da CNI cita também um levantamento feito pelo Banco Mundial que mostra que, apesar do alto gastos, a relação entre o número de funcionários públicos ativos e a população no Brasil (5,6%) é bem mais baixo que o encontrado na média dos países da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico, de 9,6%.

O percentual nacional é maior, no entanto, que a média da América Latina e Caribe (4,4%).

A principal explicação para ter “poucos’ servidores proporcionalmente e gastos tão altos em relação ao PIB é a vantagem salarial dos trabalhadores do setor público em relação aos da iniciativa privada.

Executivo: mais caro e com mais funcionários

O Painel de Estatísticas de Pessoal, do Ministério da Economia, mostra que, considerando apenas o nível federal, o Poder Executivo é o que tem a maior parcela da despesa com funcionalismo ativo (75,7%), seguido do Judiciário (18,4%), do Legislativo (3,1%) e do Ministério Público (2,8%).

Com relação ao número de servidores ativos por Poder, no âmbito federal, o Atlas do Estado Brasileiro 2018, do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), indica que o Executivo concentra a maior parte dos servidores (85,2%), seguido pelo Judiciário (12,3%%) e Legislativo (2,5%).

Dados de 2016 revelam ainda que o país tinha então 11,5 milhões de pessoas em cargos públicos. Desses, 57% estavam ligados aos governos municipais, 32,6% aos estaduais e 10,4% à União.

Deixe seu voto

mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • Adicionar um comentário

    Veja Também

    Log In

    Forgot password?

    Don't have an account? Register

    Forgot password?

    Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

    Your password reset link appears to be invalid or expired.

    Log in

    Privacy Policy

    Add to Collection

    No Collections

    Here you'll find all collections you've created before.

    Quer receber notificações em sua tela?
    Não
    Permitir Notificações