Com a inflação os moradores do Alto Tietê estão com dificuldades em pagar dívidas

Com a inflação os moradores do Alto Tietê estão com dificuldades em pagar dívidas
COMPARTILHE
PUBLICIDADE

Pesquisa aponta que fevereiro desse ano apresentou maior percentual de famílias com contas em atraso desde março de 2010.

Uma pesquisa nacional de endividamento e inadimplência do consumidor feita pela Confederação Nacional do Comércio de bens, serviços e turismo, aponta que fevereiro de 2022 apresentou o maior percentual de famílias com contas em atraso, na comparação feita desde março de 2010.

A pensionista Helena Josefa da Conceição reflete o resultado da pesquisa. Ela é o retrato da maioria dos brasileiros nos últimos 12 anos. Aos 68 anos, ela nunca se endividou a ponto de ter o nome sujo na praça. Situação que mudou no fim do ano passado quando resolveu financiar um carro para o neto e ele só pagou três parcelas. “Eu tenho que fazer um acordo porque senão tenho que pagar R$ 10 mil. E eu não tenho esses R$ 10 mil para pagar.”

A ajudante geral Célia Maria Porto afirma que antes as coisas eram mais fáceis. “Que era mais barato as coisas, agora tá tudo caro. E a gente não consegue pagar. Tem que parcelar, é perigoso sujar o nome.”

De acordo com a pesquisa, 27% dos lares estão inadimplentes. O aumento é de 0,6% em relação a janeiro, e de 2,5 na comparação com fevereiro de 2021. Os resultados também mostram que, o percentual de famílias com dívidas a vencer, como cartões e empréstimos atingiu 76,6% em fevereiro, retomando o nível apurado em dezembro de 2021.

Para o economista William ramalho Feitosa o parcelamento fácil é uma das principais causas do endividamento. “Cartão de crédito, sem dúvida, é um grande problema. E que se pese as mudanças que tivemos nos últimos anos. E cheque especial. Uma pessoa não consegue satisfazes todas as suas necessidades com o recurso que tem, então ela faz um gasto a mais, além do seu orçamento na esperança que vai ter meses, um futuro melhor, para manter o padrão de vida e vem o desemprego seis meses depois e aí ela não tem como pagar. E isso vira uma bola de neve.”

A pesquisa também mostra que esse endividamento e inadimplência cresceram entre os dois grupos de renda pesquisados. Nas famílias com ganhos até dez salários mínimos, o percentual de endividados aumentou 0,4 ponto percentual chegando a 77,8%. Já na parcela com renda acima de dez salários mínimos, a proporção de endividados alcançou maior patamar histórico, 72,2%, com incremento anual de 10,1 pontos.

Para o almoxarife Renan Felipe Ferreira da Costa as coisas pioraram ainda mais com a pandemia, hoje até o básico está difícil manter. “As coisas sobem tudo, então você tem que cartão, é água, luz, telefone é tudo. Subiu e a dívida aumentou muito.”

Para quem está endividado ou está lutando contra os números a dica é uma só. “Saber quanto ela tem de fato, realmente recebe e tentar colocar dentro desse orçamento as despesas. O que é sempre um desafio. Reduzir o que for possível reduzir, ampliar a receita quando for possível com um segundo emprego ou outra atividade. Orçamento dentro do que ela recebe. Se ela conseguir fazer isso aí ela pode passar para o passo seguinte que é rediscutir as dívidas que ela já tem”, orienta o economista.

ASSUNTOS
COMPARTILHE
MAIS NOTÍCIAS
OUTRAS NOTÍCIAS