Homem encontrado morto em Ferraz de Vasconcelos foi executado, diz delegado

Corpo de Alexandre Ferreira dos Santos, de 39 anos, foi encontrado na Avenida do Paiol, na madrugada do último domingo (6). Polícia descarta que ele tenha sido vítima de latrocínio.

Um homem de 39 anos encontrado morto na Estrada do Paiol, em Ferraz de Vasconcelos, na madrugada do último domingo (6), foi vítima de execução.

A informação é do delegado Rubens José Ângelo, do Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP) de Mogi das Cruzes, para onde a investigação foi encaminhada. A vítima foi identificada e se chama Alexandre Ferreira dos Santos.

“Esse caso se trata de um crime de homicídio. Foi registrado dessa forma. A vítima foi encontrada na Estrada do Paiol, na Prainha, que é um bairro que faz divisa com Cidade Tiradentes, em São Paulo. Essa pessoa foi encontrada com as mãos amarradas, machucada, e ao seu lado estojos de calibres .40 e 9mm”, disse o delegado.

“Pelo cenário do crime e pela experiência que nós já temos, nós descartamos a possibilidade de latrocínio, que estava sendo ventilada por aí, mas que não procede. Apesar de ele ter sido motorista de aplicativo, essa não foi a motivação do crime. Segundo as investigações preliminares e levantamentos feitos pelo SHPP, trata-se de uma execução, de um homicídio qualificado”, completou.

De acordo com o delegado, a vítima não morava no Alto Tietê, e sim no bairro Cidade Tiradentes, na capital.

O delegado disse que o lugar onde o corpo foi encontrado, em Ferraz de Vasconcelos, é uma localidade de desova de corpos. “Criminosos de outras localidades matam as vítimas e jogam o corpo nessa localidade”, informou.

Ainda de acordo com o delegado que investiga o caso, o local é pouco movimentado, sem iluminação e não possui câmeras.

“Todavia, vamos contar com o trabalho de investigação mesmo nesse caso. O cenário do corpo, com as mãos amarradas, disparos de arma de fogo, denota que houve uma execução realmente. Essa vítima foi assassinada premeditadamente”.

“Há outras investigações envolvendo essa vítima, que nós não podemos revelar, tendo em vista que há segredo de Justiça. E agora nós vamos continuar nas investigações para tentarmos chegar na autoria delitiva desse caso”.