Um trecho da Marginal Tietê, em São Paulo (SP), precisou ser interditado após um desmoronamento na obra da Linha 6-Laranja do Metrô, nesta terça-feira (1º).

A via está interditada no sentido Ayrton Senna, entre as pontes do Piqueri e Freguesia do Ó. No início da tarde, a pista expressa foi totalmente liberada para o tráfego.

As informações são do G1 e da Globo News.

O momento em que parte do asfalto da marginal cedeu foi registrado pela TV Record. O desmoronamento ocorreu por volta das 9h. Além da cratera que se formou na faixa direita da pista local, há rachaduras em outras faixas da via.

Segundo o Corpo de Bombeiros, dois funcionários da obra que tiveram contato com a água contaminada que jorrou durante o acidente foram socorridos por precaução. Os demais trabalhadores conseguiram sair.

De acordo com o secretário de Transportes Metropolitanos, Paulo José Galli, houve um rompimento da galeria de esgoto que passa no sentido transversal ao túnel que estava sendo escavado por uma máquina conhecida como “tatuzão”. O vazamento teria começado por volta das 8h20.

“O solo não aguentou. A tuneladora passava a 3 metros dessa galeria, portanto não houve um impacto da tuneladora com a galeria”, afirmou o secretário. O poço atingido é um dos dois poços construídos entre as futuras estações Santa Marina e Freguesia do Ó.

Conforme o Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado (DAEE), não foi constatado danos ao leito do Rio Tietê.

Obra

O projeto da Linha 6-Laranja prevê 15 estações, ligando Brasilândia, na zona norte, até a região da Liberdade, no centro expandido. A linha deve ter integração com as linhas 1-Azul e 4-Amarela, do Metrô, e 7-Rubi e 8-Diamante, da CPTM. A estimativa é que transportará 633 mil pessoas por dia.

A obra é feita pela concessionária privada espanhola Acciona, que também administrará a linha quando for inaugurada, provavelmente, no fim de 2025. Os trabalhos na linha haviam ficado paralisados por quatro anos (entre 2016 e 2020) por problemas na Parceria Público Privada entre o governo e o Consórcio Move São Paulo.

Esse é o segundo grande incidente do tipo na construção de uma linha do metrô paulista. Em 2007, uma cratera se formou durante as obras da linha 4 amarela e matou sete pessoas. Atualmente, no local, funciona a estação Pinheiros.

Trânsito

Principal via da capital paulista, a interdição na Marginal Tietê causa lentidão para quem trafega pela área. Dados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) já mostravam o efeito do bloqueio sobre os indicadores de lentidão no trânsito da cidade. Por volta das 10h, a lentidão atingiu a média superior do registro, com 5,9% das vias monitoradas.

A Marginal sentido Ayrton Senna registrava engarrafamento estimado de 7 quilômetros, o que se reflete também em outras ruas e avenidas das imediações. Havia também lentidão no sentido contrário da Marginal Tietê. Por conta do acidente e da interdição, o rodízio na capital foi suspenso.