Economia brasileira cresce 1,1% em 2019, diz IBGE

Angelis Publicidade e Gráfica

Destaque Home

anuncie aqui

País registrou PIB de R$ 7,3 trilhões no ano, resultado que foi impulsionado pelo crescimento dos setores de agropecuária, indústria e serviços

A economia brasileira cresceu 1,1% em 2019. Este é o resultado do PIB (Produto Interno Bruto), apresentado nesta quarta-feira (4) no Sistema de Contas Nacionais Trimestrais, pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

Apesar do crescimento, o resultado do PIB foi inferior ao registrado em 2017 e 2018, com taxa de 1,3% em ambos. 

O PIB totalizou R$ 7,3 trilhões no ano, com altas no crescimento da agropecuária (1,3%), na indústria (0,5%) e serviços (1,3%). O consumo das famílias também aumentou no ano (1,8%). 

A taxa de investimento em 2019 foi de 15,4% do PIB, acima do observado em 2018 (15,2%). Já a taxa de poupança recuou, passando de 12,4% em 2018 para 12,2% em 2019.  

Brumadinho e guerra comercial limitaram avanço do PIB em 2019

A coordenadora das Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, afirma que resultado ainda não recuperou perdas de anos anteriores. Em 2015, a economia encolheu 3,5% e, em 2016, 3,3%. 

“São três anos de resultados positivos, mas o PIB ainda não anulou a queda de 2015 e 2016 e está no mesmo patamar do terceiro trimestre de 2013. A maior contribuição para o avanço do PIB vem do consumo das famílias, que cresceu 1,8%. Pelo lado da oferta, o destaque foi o setor de serviços, que representa dois terços da economia”, afirma Palis. 

Destaques positivos

Com apenas 5% do cálculo do PIB, as maiores influências no setor agropecuário foram lavouras como milho, algodão, laranja e feijão. No sentido contrários, os setores com maior encolhimento no ano foram em culturas de café, arroz, soja e cana. 

A pecuária foi influenciada positivamente pelo estreitamento da relação comercial com a China, principalmente por causa da peste suína no país asiático.

O setor de serviços foi puxado por atividades de informação e comunicação, atividades imobiliárias, comércio, outras atividades de serviços, atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados e transporte, armazenagem e correio. 

Na indústria, o bom desempenho se deve ao crescimento na atividade de eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos, puxada pelo crescimento de 1,6% na construção. Já o destaque negativo ocorreu em indústrias extrativas. 

“A indústria teve um comportamento diferente em relação a 2018, puxada pelo crescimento na construção, após cinco anos de desempenho negativo. Já a indústria de transformação, que havia crescido mais em 2018, ficou estagnada em 2019”, afirma Palis.

Deixe seu voto

mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • Adicionar um comentário

    Veja Também

    No Content Available

    Log In

    Forgot password?

    Don't have an account? Register

    Forgot password?

    Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

    Your password reset link appears to be invalid or expired.

    Log in

    Privacy Policy

    Add to Collection

    No Collections

    Here you'll find all collections you've created before.